O que fazemos e como fazemos?

A saúde é o bem mais precioso que qualquer ser humano pode ter, e não há dinheiro no mundo capaz de comprá-la. Por isso, é importante que todos recorram à medicina preventiva para evitar doenças crônicas e agravamento de doenças que em seu estágio inicial possam serem curadas, mas que, dependendo do estágio que se encontram, tornam-se irreversíveis.

 

As sedes do UFA, estarão preparadas para atuarem em duas frentes de trabalho. Primeiro, as emergências, que necessitam de providências imediatas para evitar um mal maior. E como segunda frente temos os atendimentos preventivos.

 

Entendemos que, constitucionalmente, a responsabilidade pela saúde cabe ao estado como um todo, porém, uma coisa é a obrigação e outra coisa é o dever, sendo assim, o estado tem a sua obrigação, mas o cidadão tem o dever de colaborar, participando ativamente de projetos sociais e humanitários, no caso das unidades do UFA, sem qualquer participação financeira do estado.

 

Em países do primeiro mundo é comum vermos grandes negócios entre empresários deixarem de ser concluídos por falta de comprometimento social por parte das empresas.

No Brasil, muito se fala em social, mas a visão empresarial do social está cada vez mais insignificante, vez que, por mais incentivos que o governo conceda, mais e mais empresários usam esses incentivos em forma de benefícios para criar instituições que não fazem outra coisa senão levar vantagens a seus a si próprio e aos seus funcionários.

A maior parte das grandes empresas brasileiras criaram suas instituições sociais, e nessas instituições descarregam todos os incentivos governamentais, sendo que algumas, de forma não convencional, utilizam tais instituições como fachada, e outras acabam por utilizá-las para incorporar rendimentos a funcionários, vez que esses funcionários acabam sendo os únicos a serem beneficiados.

O QUE É MEDICINA PREVENTIVA?

 

Como o próprio nome diz, é a área destinada à prevenção de enfermidades ou lesões, e não à cura ou ao tratamento, como é o caso da medicina curativa. Durante muito tempo essa foi considerada uma área que cuidava somente da prevenção de doenças por meio de vacinas e exames.


Hoje em dia, porém, a medicina preventiva vai além desses procedimentos. Ela se preocupa não somente em prevenir doenças, mas educar a população em relação à mudança de hábitos.


COMO FUNCIONA?

 

A prática é dividida em quatro partes:

 

Prevenção primária: evita a doença desde o período de gestação da mãe.

 

Prevenção secundária: trata de doenças em seu estágio inicial, evitando sua evolução. O tratamento é feito utilizando métodos de diagnóstico.

 

Prevenção terciária: usa métodos que diminuem os sintomas da doença, diminuindo complicações e restabelecendo as funções normais do organismo.

 

Prevenção quaternária: utiliza métodos que evitam ou minimizam resultados de intervenções desnecessárias ou excessivas no sistema de saúde.

 

COMO COLOCAR EM PRÁTICA O CONCEITO DE MEDICINA PREVENTIVA?

 

Uma das formas de colocarmos em prática esse conceito é fazer check-ups regularmente, evitar o estresse por meio da prática de meditação, exercício físico ou outra atividade que lhe dê prazer. Isso evita que você tenha doenças comuns, como a depressão, por exemplo.

 

Além disso, você deve cuidar de sua alimentação, evitando gorduras ruins, muito açúcar e alimentos industrializados. Cuidar de problemas emocionais também ajuda a prevenir doenças. Lembre-se de que ir ao médico periodicamente mas não cuidar de seu corpo e de sua mente não vai ajudar a prevenir doenças, apenas a diagnosticá-las

 

QUAL A IMPORTÂNCIA DA MEDICINA PREVENTIVA?

 

Custa muito menos para você e sua família prevenir uma doença do que tratá-la. E não estamos falando de custo financeiro, mas sim de prejuízos à sua saúde e seu bem-estar. Mesmo que você não possa evitar certas doenças, o diagnóstico precoce aumenta muito as chances de cura.


Vamos a um exemplo: o câncer de mama é o tipo mais comum de câncer entre as mulheres, mas, se ele for diagnosticado logo no início, as chances de cura são de quase 90%.

 

Por meio da medicina preventiva, o médico será capaz de identificar e monitorar sintomas de uma possível doença. Há várias enfermidades que estão ligadas ao código genético, ou seja, são hereditárias e podem ser evitadas, desde que o paciente esteja disposto a cooperar.

 

Há muitos exemplos como esse que mostram o quanto a medicina preventiva é importante, e é exatamente essa a função das unidades do UFA, praticar a medicina preventiva e certamente as emergenciais

 

 

COMO FAZEMOS ISSO:

 

O grande segredo da excelência, integridade, inovação e responsabilidade orientam nossa atuação, e tem ainda um toque especial de lealdade, patriotismo, dever cívico e responsabilidade social, essa sim é a energia que move todo o nosso trabalho.

 

 Com O diferencial de não fazermos qualquer tipo de parceria com o governo, podemos servir de referência, não só pela qualidade do atendimento como também pelo custo da assistência, já que muito se fala que as unidades de saúde do estado não funcionam e que ainda custam para nós, da sociedade, valores absurdos, mas não vemos exemplos da iniciativa privada que possam nos dar provas de que o custo é infinitamente inferior ao que o estado pratica.

 

As histórias de instituições que tiveram sua origem em associações religiosas ou de funcionários de empresas dão conta de que funcionaram por séculos sem ter qualquer tipo de problema financeiro insanável e que, no entanto, a chegada dos convênios e parcerias levaram essas instituições seríssimas com passados gloriosos à falência.

 

Por esse motivo as unidades do UFA optaram por ter em seus estatutos cláusulas especificas que proíbem terminantemente qualquer tipo de convênio ou parceria com o estado.

 

É claro que somos uma unidade que se dedica à prevenção e as urgências e, sendo assim, não temos como nos especializar em cirurgias, de modo que sempre estaremos preparados para a preservação da vida em um primeiro atendimento e posteriormente encaminhar o paciente para hospitais que tenham especialidades no diagnóstico.

 

Não temos também laboratórios, motivo pelo qual os pacientes devem levar seus exames para serem feitos em qualquer laboratório, certamente os a nós conveniados praticarão valores diferenciados.

 

Temos também um atendimento obrigatório por nossas assistentes sociais que irão detectar a necessidade ou não dos pacientes em serem atendidos por nós de acordo com suas condições financeiras, visto que nosso objetivo é atender socialmente os necessitados e não fazer concorrência gratuita contra as clinicas particulares. Observação: em caso de urgência não atentamos para este detalhe, pois a lei obriga atendimento emergencial por qualquer unidade médica ou médico, sob pena de responsabilidade ética e criminal.

 

Todos aqueles por nós assistidos devem participar obrigatoriamente de nossos cursos de cidadania e de crenças, adquirindo assim uma credencial do Elo Social, cursos estes que são ministrados gratuitamente e, a nosso ver, tendem a fazê-los entender até onde vai a responsabilidade de nossos governantes e até onde vai a nossa, pois, atender gratuitamente quem não sabe o que é cidadania poderá gerar reclamações e comparações infundadas, colocando em risco a credibilidade de nosso projeto.

 

COMO PARTICIPAR ATIVAMENTE

 

Empresas e empresários podem participar ativamente de nosso trabalho, adotando nossas sedes mediante contrato especifico que se comprometa a indicar nossa instituição como beneficiária junto aos recolhimentos de imposto de renda, o que pode ser feito tanto por pessoa física como pessoa jurídica.

 

Podem também assumir valores mensais a título de doação, mas, sempre mediante contrato, pois doações esporádicas não nos permitem manter uma sede funcionando vinte e quatro horas na expectativa de que as eventuais promessas serão cumpridas, sendo assim, temos várias modalidades de participação.

 

DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA:

 

Não temos nenhuma participação politica e os motivos são óbvios, ou seja, se for do legislativo, foi eleito para fazer leis e fiscalizar o executivo. Se for do executivo, foi eleito para executar as leis e fazer bom uso dos orçamentos aprovados pelo legislativo. Como nós não trabalhamos com verbas públicas, não há como termos qualquer tipo de participação política, mesmo porque o fato de não termos participação financeira do estado não nos exime de por ele ser fiscalizado e assim, tudo que temos que fazer é prestar atendimento com excelência e, é claro, cobrar do Estado para que também o faça.